Social Tenants And Residents Community

“Riverside Housing Association” está a expulsar todos os inquilinos que residem em Maidstone (Pudding Lane), Kent para que assim possam dar entrada novos inquilinos sociais cobrando uma renda ainda mais elevada- entre £ 2.800/ 3560 € por ano do que “Riverside” cobra a inquilinos sociais em Kensington & Chelsea no centro de Londres.

A única forma que Riverside encontra para obter esse extra de £ 50.000 / 63.510 € por ano no valor da renda dos 33 apartamentos em Pudding Lane, Maidstone é expulsar os atuais inquilinos sociais de longa data que já pagam 30% a mais do que um inquilino Riverside no centro de Londres.

Riverside também se recusa a realizar reparações neste edifício que já viu duas janelas simplesmente cairem diretamente na rua em Maidstone High Street que por sorte não atingiram nenhum pedestre que passava no momento . O link com a cobertura do incidente feito pela ITV News AQUI.

O mesmo edifício tem um “teto flutuante ‘e pelo menos 6 apartamentos em estado critico de reparção onde há o risco do tecto cair sobre as suas cabeças, nas áreas comuns a fixação das luzes está desprotegida e o procedimento de saída de emergência em caso de incêndio requer que os inquilinos tenham de subir e descer escadas levando as suas crianças em carrinhos de bebé.

Os inquilinos não são beneficiários de apoios ou seja inquilino social estereótipo. A maioria dos inquilinos está a trabalhar no serviço de saúde e outros serviços públicos. É uma forte comunidade. Muitos inquilinos já vivem há mais de 6 anos no edifico, e sempre a olhar uns pelos outros.

Riverside tem dado aos inquilinos ShortHold tenancies(contratos de arrendamento) que habitualmente são usados em arrendamentos privados não em housing associations (associações habitacionais), e acredita que assim pode expulsá-los sem motivo com dois meses de aviso- Section 21 Notice.

Riverside vê os seus inquilinos como dispensáveis.
“Eu gostaria de saudar os nossos clientes em Kent à família Riverside”
diz o chefe executivo de Riverside Carol Matthews numa mensagem de vídeo a partir de sua torre de marfim de Riverside HQ em Speke, Liverpool, algumas 257 milhas de distância.
Agora, esses corajosos e ainda inquilinos sociais trabalhadores comuns formaram STARC – Sociadade de Inquilinos E Moradores da Comunidade – para lutar por suas casas contra este gigante corporativo com mais de £10 bilhões em ativos.

Riverside (Central e do Sul) recusa a reunir-se com STARC apesar de esta ser a sua política corporativa e direito do inquilino falhando assim em responder com uma data de reunião para discutir os avisos de despejo que as famílias/residentes têm recebido,em que dão data limite para o final de Maio.

STARC está a pedir o seu apoio e doações para garantir que o que Riverside está a fazer em Maidstone não aconteça ou volte a acontecer noutra parte do país, sejam inquilinos Riverside ou não.

Um dos inquilino é uma mãe solteira que trabalha, cujo filho precisa e recebe a terapia da fala. No entanto, se ela é forçada a sair, Riverside oferece uma solução que poderia ser 30 ou mais milhas de distância e para uma área com nenhuma terapia da fala disponível. Há 8 crianças que vivem em Pudding Lane, que também terão de se deslocar para novas escolas e encontrar novos amigos e redes de apoio.

Muitas das histórias vão aparecer no site e assim irão revelar que a ganância corporativa de Riverside, um suposto proprietário social, vê nos filhos dos inquilinos dispensáveis impedimentos.

Transformando as vidas dos inquilinos pior é para Riverside a ganância corporativa na cobrança de 50% a mais para uma T2 em Maidstone do que eles cobram para T2 em Kensington & Chelsea no centro de Londres.

Obrigado por dar o que você poder

STARC
Social Tenants And Residents Community